Real World Assets (RWA): desbloqueando a liquidez de ativos e aumentando a descorrelação cripto




Os ativos do mundo real (Real World Asset/ RWA) se tornam cada dia mais interessados, devido ao seu potencial futuro de resolver questões atuais do mercado de criptomoedas, como a correlação geral entre os ativos. Mas, muitas vezes, as pessoas continuam limitando sua definição à tokenização de ativos físicos, tais como a tokenização de imóveis e terrenos.


Não é só isso.

O RWA abarca a um amplo espectro de ativos, que vão da tokenização de grids de energia e a energia em si aos protocolos que de rendimentos relacionados a atividades econômicas reais, como a agricultura (de grãos), ou move-to-eans que trackeiam a atividade física das pessoas. RWA pode ser entendido como qualquer ativo ou atividade cuja existência está lastreada de alguma forma a uma ação off-chain, tais como os rendimentos e títulos do mundo real.

A interessante, é que o RWA tem o potencial de conectar as finanças tradicionais com as finanças descentralizadas de novas formas, adicionando liquidez e eficiência tanto para o mercado tradicional como para o mercado cripto. Enquanto as instituições financeiras estão olhando para a tokenização e produtos DeFi para evitar as limitações dos modelos de financiamento tradicionais e as restrições de liquidez no curto prazo, o setor cripto está olhando para os ativos reais, devido a sua estabilidade e capilaridade.

Devido a esse interesse multilateral , os RWA estão entre os casos mais atraentes do setor DeFi. Na www.impacta.finance estamos animadas para assistir e ajudar a desenvolver o mercado de tokenização de ativos reais.


Casos de uso para o RWA: açaí como colateral


A tokenização de ativos e atividades ''reais'' permite a abertura de novos mercados, uma exposição global para mercados locais e a criação de modelos de negócios que seriam impossíveis ou extremamente limitados no setor tradicional.

Alguns exemplos do potencial do RWA para o setor tradicional incluem a criação de liquidez on-chain para títulos de propriedade que podem ser usados como garantias, antecipáveis de contas a receber ou rendimentos atrelados ao fluxo de caixa de empresas que podem ser oferecidos como colateral para os provedores de empréstimo.

Um exemplo que gosto, o preço do açaí saiu de um range de R$ 1,50 - R$ 4,00 em 2019 para um range de R$ 35 a R$ 45 em 2022.O açaí é um produto originário das terras amazônicas, mas seu mercado consumidor é essencialmente global. Enquanto os produtores locais não tem qualquer acesso ao mercado internacional, seus frutos são largamente consumidos fora do Brasil. E se pudéssemos usar tais produções como colaterais de empréstimos descentralizados para viabilizar tal o desenvolvimento local desse mercado? Considerando o caso do açai, estaríamos falando de um ativo que subiu 3.000%.

Ao usar um recebível ou uma produção - que com nível variável de risco e incerteza- vai ser transformado em caixa- como um colateral de empréstimo, os investidores on-chain tem potencial de ganhar exposição ao rendimento e juros de uma empresa com operação física, enquanto empreendedores sem acesso a crédito se beneficiam desse acesso.

Além dos benefícios óbvios para aquele que toma emprestado, a exposição do 'emprestados cripto' aos rendimentos dos ativos reais permite maior estabilidade e retornos com menos probabilidade de derreter do dia para a noite. Dizendo de outra forma:

Você prefere ser pago em stablecoins, ETH e açaí ou em meme-coins e tokens inflacionários de games?

Devido a natureza essencialmente escassa dos ativos e operações reais e seus usos reais, eles funcionam como ativos interessantes em nível de investimento e reserva de valor.

Casos de uso atuais


Como funciona um protocolo de RWA que usa operações reais como garantia e colateral para obtenção de empréstimos em criptomoedas, normalmente stablecoins?

O valor total do empréstimo é definido de acordo com as características da operação e os parâmetros do mutuário (aquele que pega emprestado). A dívida então pode ser convertida em um NFT ou um ERC1155 (token multi-standart) que é dividido em um certo número de tokens que representarão a participação dos credores, que trocarão os token por stablecoins que serão oferecidas para o mutuário. No final da operação, os credores são remunerados com juros, convertendo efetivamente os tokens que possuem em stablecoins.

Tranchee sênior e tranchee júnior

Os tokens disponíveis e a liquidez operacional são agrupadas em um pool de dívida que funciona como um pool de liquidez gerenciado pelo emissor da dívida. Os credores podem escolher entre dois tipos de token, aqueles que representam o tranchee sênior (maior risco, último a seres pagos e com maior rendimento) ou o tranchee júnior (mais seguro, pois são os primeiros a serem pagos e portanto, tem um menor rendimento).

Vantagens do RWA

As maiores vantagens oferecidas pelo RWA dizem respeito a três grupos: empresas emissoras de dívidas, credores e não menos importante, o mercado de criptomoedas como um todo.


RWA para empresas (ou emissoras de dívidas)


O RWA é especialmente importante para setores que precisam movimentar muito capital diariamente, como por exemplo, o caso das cadeias de suprimento, como faturamento de remessas e fretes diários. Através dos protocolos de empréstimo de RWA, essas empresas podem liberar capital de giro para financiar sua operação, recompensando os mutuários com suas contas a receber.

No setor tradicional, essa operação tende a ser lenta, exclusiva para grandes empresas e com altas taxas, o que é um gargalo para o desenvolvimento da operação de empresas novas ou de negócios cuja velocidade na movimentação de dinheiro é um fator de diferenciação na operação.

O RWA cria novas maneiras de liberar capital, sem as restrições tradicionais, e com taxas mais competitivas do que os bancos comerciais. Além disso, como são os mutuários que estabelecem as condições nos protocolos de RWA na web3, eles tem flexibilidade e controle para adequar seus parâmetros às suas necessidades operacionais, garantindo maior vantagem do RWA on-chain sobre o financiamento comercial tradicional, em que todas as condições são pré-determinadas pelos bancos e instituições financeiras.

RWA para credores


Para os investidores que emprestam stablecoin, o RWA tem três grandes benefícios:

  • Exposição: o RWA permite exposição a setores que podem ser de difícil acesso devido a restrições jurídicas ou porque esses instrumentos de dívida não estão disponíveis para varejo, democratizando o mercado de créditos.

  • Diversificação: a exposição ao RWA gera maior diversificação do portfólio e consequentemente, redução do risco geral do portfolio cripto-nativo.

  • Rendimento diário à atividades de longo prazo: investidores recebam rendimento gerado por uma empresa graças à sua atividade econômica em uma base diária.

Os benefícios do RWA para o setor cripto


O desenvolvimento do RWA prove benefícios potenciais de larga escala para o setor cripto geral, tais como:

  • Efeito multiplicador no TVL: graças à entrada de grandes montantes de capital advindos do fluxo de caixa de empresas não-cripto.

  • Diminuição da correlação extrema do mercado de criptomoedas, que move-se sempre na mesma direção do Bitcoin ou dos ativos de risco do setor tradicional. A incorporação de ativos de diferentes indústrias ao blockchain (não apenas as digitais, como é o caso de games, entretenimento e etc) tem a possibilidade de reduzir a correlação e volatilidade extrema dos ativos e protocolos do setor. .

  • Defesa da adoção: a medida que o RWA se desenvolve e o capital cripto é utilizado para financiar o desenvolvimento de outras industrias, criamos um argumento poderoso pró-adoção.

  • Novos tipos de garantia: podem ser introduzidos no DeFi, como aqueles apoiados pelo balanço patrimonial de uma empresa

Protocolos como o Maker, estão aumentando a adoção do RWA, não apenas para diversificar seu saldo, como para começar a usar os balanços dos bancos como garantia para cunhar DAI. Recentemente, o Maker DAO garantiu RWA para cunhar US$ 100 milhões em DAI para Huntingdon Valley Bank e US$ 30 milhões para SG Forge (Société Générale). Ativos líquidos com classificação de crédito AAA foram usados ​​para garantia.

Entre os protocolos que merecem destaque quando a questão é RWA, estão ao Centrifuge e o Naos Finance. Através da Centrifuge, os investidores podem emprestar cripto e ganhar exposição a setores que vão do mercado de carbono ao real-state, com rendimentos que vão de 3 a 11%.


Fonte: https://tinlake.centrifuge.io/

Desafios


O principal desafio do RWA é a garantia do mutuário em caso de inadimplência ou simplesmente de exit. Ao contrário das liquidações dos protocolos de empréstimo DeFi que são totalmente on-chain automáticas, as liquidações de RWA são em parte, off-chain, reduzindo a eficiência dos protocolos on-chain e indo contra a filosofia cripto da não dependência de terceiros confiáveis.

Um segundo problema é que um balanço patrimonial pode ser facilmente falsificado e a "contabilidade criativa" é um problema bem conhecido. Estas fraudes podem ir desde a sobrevalorização de um ativo até à falsificação de recibos ou comprovativos de pagamento. É necessário que as firmas de auditoria realizem auditorias em RWA da mesma forma que isso é feito em finanças tradicionais. E isso significa um nivel de complexidade, KYC e custo que torna a democratização do produto, complexa.


 Artigo inspirado no original:  Real World Assets: Reshaping an Archaic Concept  



''Todos os modelos estão errados, mas alguns são úteis".
George Box